European Portuguese word of the week (#192): cocó

Bom dia/tarde/noite a tod@s! Hoje é dia de mais uma Palavra da Semana!

Prometo que não a escolhi para honrar o Dia dos Namorados amanhã (isso fica para a próxima semana – é sempre melhorar celebrar os eventos depois de acontecerem), mas a palavra de hoje não deixa de ser relevante, talvez por ser igualmente muito utilizada e também um pouco tabu.

Falo-vos de [o] cocó, essencialmente a palavra portuguesa mais comum e informal para nos referirmos aos excrementos, humanos e não só, que temos de evacuar de vez em quando do nosso corpo para garantir que não explodimos! Como qualquer outra palavra associada a estes processos corporais, pode ser substituída por outras mais científicas ou menos informais/infantis como [as] fezes. O verbo cagar ou fazer cocó, também bastante comuns e informais, pode ser substituídos por defecar em contextos mais formais. Se precisarem de ir à casa de banho para fazer o que quer que seja, não precisam de dizer a quem de direito o que lá vão fazer, basta pedir para usar a casa de banho!

yorkshire terrier puppy on green grass field
Um cão a fazer cocó. Photo by Pixabay on Pexels.com

Continue reading

European Portuguese idiom of the week (#191): nem que a vaca tussa

Olá a tod@s, e bem-vind@s a mais uma Expressão da Semana aqui no The EP Experience! Espero que tenham todos tido uma boa semana e que estejam entusiasmados para aprender mais uma expressão idiomática em português.

A expressão de hoje é muito engraçada, porque também remete para algo que é muito comum (como a maioria das expressões, trata-se de apropriar alguma coisa que conhecemos muito bem e dar-lhe uma nova identidade). Em muitos casos (como os amigos da onçair dar banho ao cão, ou andar às aranhas), os animais são utilizados para fazer essa ligação. No artigo de hoje, falamos de vacas! 🐮🐄

A vaca é um animal muito conhecido por ser fonte de leite. O som que as vacas fazem chama-se [o] mugido ou, como verbo, mugir. Uma coisa que as vacas não costumam fazem muito é tossir – tal como no caso dos humanos, a tosse nas vacas é sinal de doença, e portanto é igualmente incomum e pouco desejável nos pobres bichos.

A expressão “nem que a vaca tussa” surge precisamente dessa evidência. Não é comum uma vaca tossir, mas não importa: mesmo que o faça, não vamos fazer o que quer que seja. Assim, “nem que a vaca tussa” significa “de maneira nenhuma, em circunstância alguma, nunca”. Serve para defender uma posição de forma veemente, afirmando que não se fará alguma coisa, nem mesmo que algo de extraordinário aconteça.

Continue reading